GOYN São Paulo implementa protótipos para a inclusão produtiva de jovens

Mapeamento, avaliação, mobilização, prospecção, diálogos, trocas, construção coletiva e colaborativa… Estas foram algumas das ações que marcaram o Goyn São Paulo, em 2020. Para 2021, a organização vai implementar soluções que incluam 100 mil jovens-potência no ecossistema produtivo da cidade, até 2030.

Lançado em 2020, o Global Opportunity Youth Network (GOYN) São Paulo entra em uma nova etapa para levar à prática os resultados das mesas de trabalho que envolveram mais de 80 empresas, organizações, jovens-potência e especialistas em juventudes. São quatro protótipos construídos para gerar oportunidades concretas de empregabilidade e empreendedorismo aos jovens das periferias da cidade. 

O primeiro deles, denominado Programa Trilhando, tem como objetivo apoiar os jovens na elaboração de um projeto de vida que una realização pessoal com sonhos e ambições profissionais. Na escola, nem sempre os jovens têm contato com temas de interesse, contextualizados à sua realidade, para ajudá-los a definir sua trajetória. Aliás, muitos abandonam os bancos escolares, seja por desestímulo, por necessidade de trabalhar ou por outros motivos que estão engrossando os números de evasão do Ensino Médio. Muitos deles também não contam com apoio familiar nem com referências para pensar no que querem para si. Por isso, o Programa Trilhando pretende ajudá-los a definir seu presente e futuro profissionais por meio de curadorias, mentorias e rodas de conversa, contando com a articulação de diferentes atores que atuem nos territórios. Em 2021, o GOYN vai mapear e prospectar parceiros para implementar a iniciativa e promover a formação de voluntários que assumam o papel de mentores desses jovens.

A tecnologia como ferramenta de inclusão profissional

O segundo protótipo, o Perifa Digital, pretende inserir um grande contingente de jovens-potência no mundo produtivo, por meio de oportunidades que a tecnologia tem a oferecer – e que a maioria ainda desconhece. Por isso, em 2021, o Perifa Digital vai atuar em parceria com associações e centros locais na formação de jovens a fim de que sejam multiplicadores de uma mentalidade digital em seus territórios, promovendo ações que gerem trabalho por meio da tecnologia.

Plataforma Digitalis é o nome do terceiro protótipo construído coletivamente pelos parceiros do GOYN São Paulo. A plataforma irá se configurar como um grande e qualificado espaço de capacitação, recrutamento e empregabilidade. Vai disponibilizar cursos para preparar melhor os jovens às diferentes oportunidades das áreas digitais, compartilhar vagas de empresas e os perfis dos que buscam o seu lugar no mercado de trabalho. Todos ganham com a plataforma: os jovens estarão mais preparados, as vagas serão preenchidas com maior assertividade e as empresas irão contar com profissionais qualificados e afinados com seus objetivos. Além de estruturar a plataforma, em 2021 o GOYN quer prospectar empresas para apoiar a iniciativa.

O papel das empresas nesse ecossistema

O quarto protótipo, denominado Rede Empresas-Potência, tem como objetivos vencer barreiras que excluem as juventudes de postos de trabalho de muitas corporações que ainda veem a contratação de jovens como um risco.

A ideia é reunir empresas que acreditam nas competências e habilidades das juventudes para que compartilhem seus modelos de seleção e recrutamento, benefícios diferenciados, ações de engajamento para sensibilizar outras instituições e gerar trocas de experiências bem-sucedidas.

Para 2021, o GOYN irá prospectar cerca de 700 empresas para compor a rede, a fim de consolidar e difundir um banco de boas práticas de inclusão de jovens nas diferentes áreas.

Também em 2021 duas novas mesas de trabalho começarão a construir soluções que atendam a outros dois temas-chave da inclusão produtiva dos jovens: empreendedorismo como oportunidade e participação cidadã. 

Este é o momento para você e sua empresa se engajarem nesse amplo movimento global e ajudar a transformar realidades inteiras. Apoiar e empregar os jovens é uma das estratégias para o enfrentamento das desigualdades sociais e para a sustentabilidade de todo o planeta. Saiba mais sobre o GOYN: https://unitedwaybrasil.org.br/noticias/2020/11/27/goyn-apresenta-solucoes-para-a-inclusao-produtiva-dos-jovens-das-periferias/

Faça parte: www.goynsp.org/

Live desconstrói mitos sobre alimentação na primeira infância

A última live de 2020, no dia 11 de dezembro, encerrou a série realizada pelo programa Crescer Aprendendo, trazendo à discussão a importância da alimentação saudável nos primeiros anos de vida, com o objetivo de desmistificar mitos e compartilhar informações práticas sobre o tema às famílias do programa.

Alimentação é um tema que preocupa pais e cuidadores, já que nutrir as crianças corretamente tem fundamental importância para o bom desenvolvimento infantil. Na fase do “não quero”, “não gosto”, as famílias, muitas vezes, não sabem como agir nem o que priorizar no cardápio das crianças. Também não faltam apelos publicitários das marcas de produtos ultraprocessados para atrair os pequenos a tudo o que não devem consumir nessa etapa da vida.

Desmame e introdução de alimentos é outra temática que traz muitas dúvidas, especialmente às mães: qual é o momento certo? O que fazer quando a criança não quer largar o peito? Qual é a quantidade certa?

Para debater estas e outras questões, o programa Crescer Aprendendo, da United Way Brasil, convidou Rachel Francischi, nutricionista formada pela USP e mestre pela Unicamp, Clariana Oliveira, doutora em saúde pública pela Universidade de São Paulo, pós-doutora em primeira infância e desenvolvimento infantil, na Universidade de Harvard, Leticia Silva, enfermeira mestre em Ciências da Saúde, especialista em saúde mental e desenvolvimento infantil, e Cecília Cury, advogada, mestre e doutora em Direito Constitucional pela PUC-SP, cofundadora do Alergia Alimentar Brasil e coordenadora do movimento Põe no Rótulo, que apoiou a realização da live.

O ponto de partida dessa conversa foi a definição do que é, afinal, uma alimentação saudável: “A comida que uma criança precisa é a comida de verdade, que vem da nossa panela, que vem da natureza. Tudo o que a terra nos dá, como as frutas, as verduras, o arroz com feijão, o milho, o repolho, as carnes, o frango, o peixe, e do jeito que a natureza nos dá, sem passar pelo processamento alimentar”, explica Rachel. 

Porém, não basta querer que os filhos comam bem se o exemplo não vem dos adultos, como reforça Leticia: “O pai e a mãe são espelhos para a criança, então se ela vê os pais comendo, ela tende a comer também aquele alimento. A criança imita o comportamento que vê diversas vezes. Se os pais tiverem uma dieta saudável, balanceada, cheia de alimentos naturais, a tendência de a criança querer comer esse tipo de alimento é muito maior.”  

Outro fator importante para os pais e cuidadores se sentirem mais seguros sobre aquilo que oferecem aos filhos é conhecer o que contém cada alimento. Portanto, ater-se à leitura do rótulo é uma prática que todos devem adotar. “Uma lista de ingredientes muito longa, geralmente indica um alimento ultraprocessado, porque tem uma série de elementos químicos, acidulante, espessante e um monte de ‘ante’ que não vão fazer bem para a nossa saúde no longo prazo e que a gente tem que evitar. Então, é importante buscar alimentos que contenham ingredientes que a gente consegue reproduzir em casa. Por exemplo, não dá tempo de eu fazer pão em casa.  Vou comprar pão, mas, antes, quero saber o que ele contém. Farinha, água, fermento e sal? Certo, é o que eu faria em casa também.  Mas se a gente pega um saco de pão e lê que tem ‘fosfato de cálcio de não sei o que, conservador de tal, pirofosfato do monossódico…’  O que é isso? Se o rótulo não fala a minha língua, eu não entendo o que ele quer dizer, então, prefiro não comprar.”

E o que fazer quando a criança não gosta de frutas, verduras e não quer se aventurar a experimentar alimentos novos?

Clariana sugeriu algumas estratégias, dentre elas “usar o lúdico em benefício da alimentação da criança, propondo jogos, apresentando aquele prato de forma diferente, usando carinhas feitas com legumes e verduras. Várias pessoas falam que a gente come pelos olhos e isso é uma verdade, muitas vezes o que atrai é a forma como o prato é apresentado para a gente. Outra dica: não castigue a criança se ela rejeitar o alimento, não faça barganhas como, ‘se você comer seus legumes e frutas, vai ter seu docinho no final’. Isso pode criar uma relação ruim com os alimentos, levando a a pensar que ‘primeiro tenho que comer ‘essa coisa ruim’ pra depois comer a ‘coisa boa.’ E quando a criança é um pouco maiorzinha, participar na preparação das refeições, manipulando os alimentos, sentindo a textura, se acostumando com a forma daquele alimento com certeza é muito importante para que ela se sinta atraída em experimentar cada vez mais coisas novas”. 

Pensar em quantas vezes oferecer refeições às crianças em cada fase da primeira infância e qual a porção certa de alimento são outras dúvidas de muitas famílias. “Para um bebê entre seis meses e um ano de idade nós devemos oferecer alimentos quatro vezes ao dia – uma fruta no meio da manhã, o almoço no finalzinho da manhã, uma fruta no meio da tarde e o jantar no final da tarde -, juntamente com o leite materno no esquema que a gente chama de livre demanda, ou seja, sempre que o bebê quiser. Caso o bebê entre 6 meses e 1 ano de idade não se alimente com o leite materno, o número de mamadas deve variar em torno de três ao dia, no máximo”, explica Rachel. E complementa: “Em relação à quantidade, o ideal é oferecer o quanto a criança quiser, nem mais, nem menos. A criança tem o que a gente chama de autorregulação da fome, do apetite e da saciedade. A criança sabe o quanto ela precisa comer de alimentos naturais.”

Ao final da live, as especialistas responderam com ‘verdade’ ou ‘mentira’ às questões levantadas pela mediadora com base em crenças populares, por exemplo, que a salsicha é um ótimo alimento para as crianças. Cecilia respondeu:Mentira! Se a gente olhar a lista de ingredientes de uma salsicha, definitivamente ali tem de tudo, menos comida, aquela que, como bem disse a Rachel, é comida de verdade, comida da panela, que a gente sabe exatamente como foi feita. Não tem como fazer uma salsicha em casa, então, ela não é um alimento que a gente possa colocar na nossa alimentação e ela não é um tipo de carne”, concluiu.

Confira, no link, a íntegra da live “Verdades e mitos sobre alimentação na primeira infância”, realizada em parceira com as empresas Ecolab, Lear, O-I, P&G, Phoenix Tower do Brasil e 3M e apoio do movimento Põe no Rótulo. A live encerra o ano de 2020 do programa Crescer Aprendendo, que retorna em 2021 com novas iniciativas: https://www.youtube.com/watch?v=xwfw1anEab0

2020: o ano em que juntos pudemos fazer muito mais

Iniciativas inovadoras, adaptações nos programas e ações emergenciais foram algumas das estratégias adotadas pela United Way Brasil para não só manter sua operação ativa como para ampliar a abrangência e o impacto de sua atuação no enfrentamento da crise sanitária.

Os desafios impostos pela pandemia marcaram o cenário do ano que se encerra. A United Way Brasil, junto às empresas e instituições parceiras, atuou para apoiar crianças, jovens e suas famílias a enfrentarem as duras consequências da pandemia. O resultado desse amplo trabalho coletivo e colaborativo está relatado no Relatório de Atividades, recém-lançado pela organização.

“Diante da crise, a equipe da United Way Brasil identificou nesse contexto oportunidades únicas, não só para manter os programas ativos como para ampliá-los e qualificá-los. Para isso, convidou outras organizações e empresas a formarem uma ampla rede, com o objetivo de tecer novas estratégias que atingissem mais pessoas, exercendo seu papel social em um cenário complexo onde os mais vulneráveis foram profundamente impactados. Nosso convite foi aceito e seguimos fortes, juntos e determinados”, relata Orson Rhazes Ledezma Castro, Presidente do Conselho Deliberativo da organização, na mensagem de abertura do relatório.

Ampliação dos programas

Com a adoção do formato virtual, o programa de primeira infância Crescer Aprendendo chegou a quase 3 mil famílias de 12 cidades em 4 estados, levando conteúdos sobre primeira infância para pais e cuidadores e apoio à segurança alimentar. A ampliação deu certo: 97% das famílias participantes avaliaram o programa com notas 5 e 4 (escala de 1 a 5).

Computador e internet foram as ferramentas que uniram os 227 jovens de São Paulo, Pernambuco e Santa Catarina, participantes do programa Competências para a Vida, aos 123 mentores voluntários, colaboradores das empresas associadas da United Way Brasil, que, por meio de reuniões e mentorias virtuais, apoiaram os jovens na definição de metas e do plano de vida para além da pandemia. Na avaliação do programa, 73% dos participantes apontaram que as reuniões e mentorias os ajudaram a pensar no futuro e em metas para além da pandemia.

Também em 2020, a United Way Brasil deu início à implementação, na cidade de São Paulo, do movimento Global Opportunity Youth Network (GOYN), articulando uma ampla rede colaborativa formada por jovens-potência, empresas, instituições e especialistas cujo objetivo é impactar a vida de mais de 700 mil jovens e promover a inclusão produtiva de 100 mil jovens em dez anos. A rede conta com mais de 85 instituições e, conjuntamente, irá implementar protótipos de ações em 2021 para promover essa inclusão.

Voluntariado corporativo e digital

Um dos braços de atuação da United Way Brasil, o voluntariado corporativo apoia as empresas parceiras ao exercício da responsabilidade social, que utilizam recursos e talentos próprios para gerar oportunidades qualificadas a pessoas e comunidades em situação de vulnerabilidade. 

Para realizar esses propósitos, a organização redesenhou os dias Viva Unido Primeira Infância e Viva Unido Juventude, com ações virtuais que reuniram um número maior de colaboradores voluntários e impactaram mais crianças e jovens atendidos pelos programas da United Way Brasil.

No total, as ações envolveram 223 voluntários e beneficiaram cerca de 3 mil crianças e jovens.

Estas e outras realizações da United Way Brasil em 2020 você confere no link do relatório. Antes, porém, fica aqui o nosso convite: vamos juntos em 2021?

Acesse o relatório aqui

Programa Competências para a Vida encerra mais um ciclo de apoio aos jovens

Desenvolvido pela United Way Brasil em parceria com empresas associadas, o programa encerra o ano de 2020 com conquistas e avanços para a vida pessoal e profissional de jovens em situação de vulnerabilidade social.

Os jovens nunca precisaram de tanto apoio como agora, em meio à pandemia, quando tantas incertezas rondam o presente e o futuro, especialmente no que diz respeito às suas vidas acadêmicas e produtivas.

O programa Competências para a Vida, em 2020, adaptou-se para dar suporte a 227 jovens de 16 a 25 anos, incentivando o desenvolvimento e o fortalecimento de suas competências socioemocionais para que possam estar mais preparados aos desafios da sociedade contemporânea. 

Por meio de encontros e mentorias virtuais, 123 mentores voluntários – colaboradores das empresas associadas da United Way Brasil – incentivaram e apoiaram jovens dos estados de São Paulo (São Paulo, Francisco Morato e Jundiapeba), Pernambuco (Cabo de Santo Agostinho e Jaboatão de Guararapes) e Santa Catarina (Navegantes) a não desistirem de seus sonhos e acreditar na capacidade que possuem para realizá-los.

“O Competências para a Vida e as mentorias foram um divisor de águas na minha trajetória. Antes eu me sentia totalmente perdida, sem saber ao certo o que queria. Depois que tive a oportunidade de participar, pude encontrar comigo mesma, me senti mais confiante pra (per)seguir meus sonhos”, relatou uma participante na avaliação do programa. A mesma avaliação apontou que, para 73% dos jovens, as reuniões e mentorias ajudaram a pensar no futuro e em metas para além da pandemia, enquanto 94,5% dos participantes acreditam que todos os aprendizados e trocas irão, de alguma forma, auxiliá-los a conseguir um emprego. 

Para os mentores empatia e comunicação foram as principais competências que disseram ter desenvolvido durante o programa. “Sou muito grata por ter participado como mentora. É impressionante como os jovens fazem a gente repensar sobre a vida e entender como somos privilegiados. Fiquei muito feliz em fazer parte e poder ajudar”, revelou uma das voluntárias.

O programa encerrou suas atividades do ano e retorna em 2021 com novas experiências e oportunidades para que diferentes juventudes tenham vez e voz, conquistando seus espaços na sociedade, como reforça neste poema o jovem Eduardo da Silva, 24 anos, de Jaboatão de Guararapes (PE). Confira!

Brasil leva sua contribuição ao evento mundial do GOYN

Pela primeira vez, o País participa do encontro do The Global Opportunity Youth Network, para dialogar e levar sugestões de como enfrentar os desafios enfrentados pelos jovens-potências para conquistar trabalho digno.

Evento realizado nos Estados Unidos, de 7 a 10 de dezembro, reúne representantes das comunidades do The Global Opportunity Youth Network (GOYN).

Aberto a jovens, organizações e interessados no tema, o encontro tem como propósito ouvir os diferentes porta-vozes do GOYN sobre formas de enfrentar os efeitos da Covid-19 na empregabilidade das juventudes, com sugestões para facilitar diálogos e construir soluções coletivas e sistêmicas que possam romper barreiras estruturais do ecossistema produtivo. O evento também irá discutir estratégias para ampliar e fortalecer a voz dos jovens para que tenham espaço de decisão sobre seu presente e futuro profissional.

A participação do GOYN São Paulo

No País, desde janeiro de 2020, o GOYN acontece na cidade de São Paulo e tem como organização articuladora a United Way Brasil.

Para o evento global, jovens-potência do Núcleo Jovem e as lideranças do GOYN levarão suas contribuições ao encontro.

No dia 8 de dezembro, às 6h40 (horário de Brasília),Jonathan Camargo Sales, do Núcleo Jovem GOYN São Paulo, participará do painel dos jovens líderes para dialogar sobre o papel do jovem na construção do GOYN em cada comunidade.

No mesmo, dia, às 7h40, Daniela Saraiva, coordenadora do GOYN São Paulo, irá compor a mesa que irá debater a contribuição do GOYN para favorecer e ampliar a inclusão produtiva do jovem no mundo. Daniela vai compartilhar as experiências colhidas em 2020, quando o programa conseguiu mobilizar mais de 80 empresas, organizações e especialistas de São Paulo em torno do tema da inclusão produtiva dos jovens-potência.  

No dia 9, às 7h50, será vez de Henrique Madeiros, jovem-potência do Núcleo Jovem, compor o painel que terá como pauta as trajetórias criativas e resilientes dos jovens na busca por trabalho digno nas periferias das cidades. Henrique também será o responsável por encerrar o dia do evento com uma participação artística, às 8h50.

No dia 10, às 6h, Ana Inez Eurico, liderança do Núcleo Jovem do GOYN São Paulo, dará as boas-vindas globais aos participantes ao lado de Jamie McAuliffe, Diretor do GOYN global, e fará parte do painel, às 6h35, sobre as injustiças estruturais que os jovens enfrentam em suas comunidades para conquistar um espaço digno de trabalho.

Às 8h, Gabriella Bighetti, diretora-executiva da United Way Brasil, estará no painel que encerra o encontro, onde as lideranças irão apontar os diferenciais do GOYN e a importância de se ampliar essa rede, envolvendo novas organizações e mais jovens para que as iniciativas ganhem escala e possam garantir a inclusão de diferentes juventudes no mundo do trabalho.

Participe! Inscreva-se!

Dia 7 https://zoom.us/webinar/register/WN_ZM5p8tScRXmHRNo9whaziA

Dia 8 https://zoom.us/webinar/register/WN_eJEYx8IyQCqEAJW1Df6apg

Dia 9 https://zoom.us/webinar/register/WN_0kBiM0rkQw6Ms_FZusmYAQ

Dia 10 https://zoom.us/webinar/register/WN_pEMo86D8SSiSkGD-erS0mQ

Sobre o GOYN São Paulo–  Global Opportunity Youth Network (GOYN) é uma aliança mundial, liderada pelo Instituto Aspen, para promover a inclusão produtiva de jovens em situação de vulnerabilidade social. Está presente também em Bogotá (Colômbia), Thekwini (África do Sul), Mombasa (Quênia), Pune e Ramgarh (Índia). No Brasil, a ação acontece na cidade de São Paulo com o apoio de mais de 85 múltiplos atores. A partir de um amplo mapeamento, o GOYN São Paulo identificou cerca de 700 mil jovens-potência que não têm acesso a oportunidades dignas de trabalho. Também detectou os principais desafios que eles enfrentam e, por meio de um trabalho coletivo e colaborativo, criou soluções para superar esses obstáculos, com o objetivo de incluir produtivamente 100 mil jovens da cidade até 2030.  No Brasil, a gestão do GOYN envolve o Núcleo Jovem e o grupo gestor formado por representantes das instituições Accenture, Em Movimento, Fundação Arymax, Fundação Telefônica Vivo, Instituto Coca-Cola, Itaú Educação e Trabalho e J. P. Morgan. Como parceiros globais, o GOYN conta com Aspen Institute, Catholic Relief Services, Global Developer Incubator, Prudential, Youth Build International. Atualmente, o GOYN São Paulo está prospectando novas parcerias para ampliar a rede e implementar, em 2021, os protótipos das soluções construídas.

Para saber mais:   https://unitedwaybrasil.org.br/o-que-fazemos/goyn/

Para fazer parte do GOYN São Paulo: https://bit.ly/facapartegoyn


Live discute a saúde física e mental da criança para além da pandemia

O quarto encontro virtual com especialistas em primeira infância, realizado pelo programa Crescer Aprendendo da United Way Brasil, trouxe à pauta orientações de como fortalecer a saúde integral dos pequenos, especialmente com o aumento dos casos de Covid-19 no País.

Com o apoio institucional da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, a live “Saúde da criança em tempos de pandemia: o que é preciso saber?” teve a audiência de famílias atendidas pelo programa de primeira infância Crescer Aprendendo e do público em geral. 

Para formar a roda de conversa foram convidadas Dra. Ana Escobar, professora Livre-Docente da Faculdade de Medicina da USP e consultora do programa Bem Estar, da TV Globo, Clariana Oliveira, enfermeira, doutora em saúde pública pela Universidade de São Paulo e pós-doutora em primeira infância e desenvolvimento infantil, na Universidade de Harvard, e Lucila Faleiros Neves, fisioterapeuta, especialista em desenvolvimento infantil e coautora do projeto “Nossas Crianças: Janelas de Oportunidades”.  

Na primeira parte da conversa, doutora Ana ressaltou os principais aspectos que as famílias precisam reforçar para que as crianças fiquem saudáveis: “O primeiro ponto é cuidar da alimentação, lembrando da importância do leite materno nos primeiros seis meses de vida. Também garantir, dentro do possível, um tempo de sono legal. E uma das coisas mais importantes é manter as vacinas da turminha em dia. Não é porque estamos na pandemia que vocês vão deixar de ir ao posto de saúde para atualizar a carteirinha de vacinação dos seus filhos”. 

Como a saúde está diretamente ligada à segurança, Clariana deu dicas aos pais e cuidadores sobre como evitar acidentes domésticos. “Se a gente tirar nossos óculos e colocar os óculos da criança pra olhar para dentro das nossas casas, a gente vai achar um ambiente repleto de coisas para brincar, de coisas para colocar na boca, de líquidos coloridos que a gente quer mexer, porque estamos curiosos para saber o que é. Se a gente acha pecinhas no chão, feijão, moedas, a gente vai levar à boca porque é diferente, tem uma textura diferente, uma cor diferente. Então, olhar esses pequenos detalhes, olhar para o chão, para as coisas ao seu redor e que estão ao alcance da criança é importante para prevenir e não ter que remediar lá na frente”, explica.  

Mas a saúde emocional da criança também pode estar em risco, já que a convivência diária e com restrições tende a criar tensões na família. Antes de se aprofundar no tema, doutora Ana definiu o que é saúde emocional: “É a saúde dos nossos sentimentos. Como estão os nossos sentimentos? Estão legais ou a gente está mais entristecido? A gente está mais para baixo, assim, constantemente? Isso vale para todo o mundo. Os adultos, às vezes, conseguem entender que não estão bem, mas as crianças não conseguem. Elas simplesmente sentem um desconforto e esse desconforto não é uma dor, não é nada.  É uma sensação ruim. Como é que elas expressam isso? Elas ficam mais irritadas. Elas ficam acordando à noite toda. Algumas não querem comer. Algumas, por exemplo, têm dificuldade de falar, algumas brigam por qualquer coisa. Outras fazem crise de birra. Então, a dica que eu dou para vocês é: prestem atenção porque pode ser que a cabecinha delas esteja com alguma situação que a gente precisa cuidar, da mesma forma que a gente cuida de uma dor física”.  

A saúde emocional dos adultos que cuidam das crianças

A qualidade do ambiente também influencia a saúde emocional das crianças. Então, como criar um espaço mais aconchegante e tranquilo, mesmo em isolamento social? “Tenho certeza de que para as crianças está mais difícil, mas restritivo, com limitação de movimentos, numa fase que movimentar, experimentar, pôr a mão é tudo na vida.  Temos de promover um ambiente com alegria, leveza e respeito nas relações. Vamos dar oportunidades para as crianças explorarem e fazerem coisas diferentes para o seu desenvolvimento. E, principalmente, mostrar às crianças que elas são amadas. Apesar da situação difícil, esse é um sentimento que precisa estar presente o tempo todo. Um momento de aproveitar para conversar mais, brincar mais, contar histórias, criar novas formas de interação e de afeto. Essa será a lembrança que a criança levará para o futuro. Não é uma lembrança qualquer, mas de uma criança amada, que teve alguém do seu lado, disposto e aberto para estar com ela”, reforça Lucila.

E quando a saúde emocional dos adultos não está bem, o que se deve fazer? Lucila acredita que casos assim precisam de apoio. “Tem que levar essa situação para o serviço de saúde e buscar ajuda. Eu acho importante, também, as famílias se aproximarem de pessoas que passam por situações parecidas. De repente, no próprio serviço de saúde, criar um grupo delas. Eu acho que seria o mais bacana. Se não tem profissional que possa atender todas as necessidades de vocês, então organizem um grupo de pessoas na mesma condição para que vocês se fortaleçam”.     

Para Clariane, os adultos precisam ter mais compaixão por si mesmos, entendendo que essa fase é bem difícil e não se pode exigir demais. Por isso, “nos momentos difíceis, respirem fundo, tirem um tempo para vocês. Não é a hora de colocar mais peso nas nossas costas. Respirem fundo. Errou? Gritou com a criança? Peça desculpas. Você vai ensinar que se deve pedir desculpas porque ela também vai errar um dia. Então, tenha calma e vamos pensar que logo, logo as coisas estarão resolvidas, a vacina vai chegar e nossas vidas voltarão ao normal novamente”.  

Confira a live na íntegra: https://www.youtube.com/watch?v=dZC-JodcAJE&list=PL678y5q5ihccRfO0mM-XEXcDVMzXesofF&index=20

Acompanhe as nossas páginas nas redes sociais para saber quando será a próxima live e quais convidados traremos para essa nova conversa!

GOYN apresenta soluções para a inclusão produtiva dos jovens das periferias

Evento realizado no último dia 24, reuniu jovens-potência, organizações, empresas e especialistas em inclusão produtiva para apresentar protótipos de projetos que serão implementados em 2021. 

Pautado no mote que defende a equidade de oportunidades para enfrentar as desigualdades de empregabilidade entre os jovens de São Paulo, o Global Opportunity Youth Network (GOYN) foi oficialmente lançado no maior polo econômico da América Latina, no dia 24 de novembro, durante a live transmitida na página do YouTube da United Way Brasil. A organização é responsável, no País, pela articulação e mobilização de uma ampla rede colaborativa, atualmente com mais de 80 atores, para criar oportunidades dignas de trabalho às diferentes juventudes.

O programa global, que está em outras seis cidades do mundo, criado pelo The Aspen Institute, concretiza-se em cada nação por meio de um grupo gestor, responsável por traçar os passos do GOYN localmente, com a participação ativa do Núcleo Jovem, formado por jovens-potência.

No Brasil, esse grupo conta com representantes das instituições Accenture, Em Movimento, Fundação Arymax, Fundação Telefônica Vivo, Instituto Coca-Cola, Itaú Educação e Trabalho e J. P. Morgan.

Como parceiros globais, o Goyn conta com Aspen Institute, Catholic Relief Services, Global Developer Incubator, Prudential, Youth Build International.

Quem assistiu ao evento do dia 24 pôde mergulhar na proposta e entender como o GOYN atua, seus objetivos de médio e longo prazo e quais as formas de participar dessa onda de mudanças que circula na cidade, desde abril de 2020, e que necessita de mais parceiros para alcançar a meta de inserir produtivamente 100 mil jovens em 10 anos – e beneficiar os mais de 700 mil jovens-potência que vivem, atualmente, em São Paulo.

Soluções concretas, sistêmicas e colaborativas

O auge do evento de lançamento se deu com a apresentação dos jovens sobre as mesas de trabalho realizadas pelo GOYN nos últimos meses, para traçar soluções aos desafios mais urgentes à inclusão dos jovens-potência no ecossistema produtivo da cidade. Tais mesas se configuraram a partir da ampla escuta de múltiplos atores e nos resultados de pesquisas e estudos gerados para o GOYN (veja alguns achados nos boxes Desafios).

A primeira apresentação trouxe a questão da desconexão entre os conteúdos do ensino formal (que leva à evasão escolar e à repetência), a realidade dos jovens-potência e os sistemas de seleção e recrutamento, comumente adotados pelas empresas. Para enfrentar esse desafio, as organizações, empresas e jovens participantes do GOYN desenharam o Programa Trilhando. A proposta é criar uma força-tarefa para realizar a curadoria de instituições de ensino que apoiem os jovens na elaboração de projetos de vida, por meio de formações, e de empresas que os coloquem em contato com as expectativas do mundo do trabalho, por meio do financiamento de mentorias e demais estratégias de capacitação. Dessa forma, as juventudes poderão fazer as conexões necessárias para traçar planos relacionados com seus sonhos de futuro, atendendo, também, às demandas do mercado.

Na mesa de trabalho do Programa Trilhando, além dos jovens-potência estavam representantes do Ceap, Cedaps, Cieds, Fundação Iochpe, Instituto Ayrton Senna, Instituto Reciclar, Novotec, Recode, Vocação e United Way Brasil.

A tecnologia foi tema da segunda apresentação. Grande parte dos jovens-potência até se mantém conectada ao mundo virtual, mas precariamente. Outra parte, nem acesso tem às tecnologias. E a maioria não faz uso delas para promover sua inclusão produtiva. O Programa Perifa Digital se propõe a construir essa mentalidade digital a partir dos territórios onde vivem as juventudes. Para isso, vai capacitar os jovens-potência a fim de que assumam o papel de multiplicadores de uma nova visão. Por meio da criação de projetos práticos, em parceria com organizações influentes nos territórios, de encontros e bate-papos, o objetivo é dar acesso às informações relevantes, às referências do mundo tecnológico e ao desenvolvimento de competências básicas para a inclusão digital.

A mesa de trabalho do Programa Perifa Digital contou com os jovens-potência e os representantes das instituições Fundação Telefônica Vivo, Generation Brasil, Laboratoria e +1 CODE.

Ainda dentro do tema da tecnologia, a terceira apresentação trouxe soluções para qualificar a força produtiva jovem a fim de que atenda à crescente demanda de oportunidades nas áreas de tecnologia. O que se sabe é que existe a procura, mas faltam profissionais qualificados para atendê-la. O Programa Plataforma Digitalis quer justamente contribuir a essa qualificação, por meio de um hub digital de capacitação e empregabilidade gratuito, que também otimize a busca por cursos e oportunidades de trabalho para carreiras na área. Tanto as formações como as vagas, disponibilizadas na plataforma, podem ser ofertadas por empresas e organizações que estão ou não na rede do GOYN. Além de potencializar o preenchimento de vagas, o programa quer apoiar as empresas na contratação mais assertiva para reduzir tempo e custo gerados pelos processos de seleção. 

A mesa de trabalho que desenhou o programa contou com os jovens-potência e as organizações Accenture, Generation Brasil, Laboratoria, Proa, Taqe e Vocação.

A última exposição da live apresentou o programa Rede Empresas-Potência, que tem o objetivo de qualificar a visão do empregador a fim de que identifique os diferentes benefícios que a contratação dos jovens-potência pode trazer à sua empresa. O que se pretende é transformar a atual percepção dessa contratação como um vetor de “riscos” para um vetor de “inovação”. Portanto, é necessário rever os processos de seleção e recrutamento tradicionais, que muitas vezes estão carregados de vieses inconscientes.

Estruturar uma rede que conecte empresas inclusivas, cuja estratégia de contratação contemple inovações para garantir o aproveitamento desses talentos, tende a fortalecer uma nova visão sobre o jovem-potência. Por meio da rede, as empresas poderão alinhar esforços, compartilhar conteúdos, boas práticas, treinamentos para lideranças e cases de sucesso, tornando-se referências no ecossistema produtivo da cidade.

A construção do programa contou com a participação dos jovens e das instituições ABRH SP, Accenture, Cedaps, Digital Innovation One, Eureca, Instituto Coca-Cola Brasil, IOS, Pepsico, Rede Cidadã e United Way Brasil.

Dentre os próximos passos do GOYN em São Paulo estão os objetivos de engajar mais atores nessa grande onda e colocar em prática os protótipos dos programas, em 2021. Qualquer organização, empresa e especialista que comungue dessa urgência pode apoiar e atuar no GOYN. Basta entrar em contato, por meio do preenchimento do formulário de adesão: https://bit.ly/facaparteGOYN

Somos muitos, somos tantas, mas precisamos de mais! Precisamos de você!

*Fontes de dados e informações deste artigo: Análise Accenture para GOYN (2020); Relatório “Juventudes, Educação e Projeto de Vida” (2020); Trabalhos dos sonhos de jovens hoje correm risco de não existir no futuro (2020); Estudo “Competências e Empregos: Uma Agenda para a Juventude” (2018); Relatório “Ações afirmativas das 500 maiores empresas do Brasil” (2016).

Assista à live na íntegra: https://www.youtube.com/watch?v=-BDD4c-2oVk

Quer acessar mais informações sobre a realidade dos jovens-potência? Clique aqui: http://bit.ly/dadosgoyn

Dia Viva Unido Juventude traz diversidade e responsabilidade social como tema de mentoria

Iniciativa anual do Programa Competências para a Vida, da United Way Brasil, o Dia Viva Unido Juventude reuniu colaboradores voluntários das empresas parceiras para trocar informações e experiências sobre suas trajetórias profissionais e discutir temas sociais com os jovens participantes do programa.

No ano marcado pela pandemia gerada pela Covid-19, o Programa Competências para a Vida, voltado às juventudes, realizou mais uma edição do Dia Viva Unido Juventude, no mês de outubro, desta vez no formato digital, respondendo às necessidades de distanciamento social exigidas pela crise sanitária.

Para isso, convidou colaboradores das empresas parceiras do programa para compartilharem suas experiências profissionais durante duas sessões de mentoria para jovens das cidades de São Paulo (SP) e Recife (PE).

Por meio de salas virtuais, criadas em uma plataforma digital, mentores (voluntários) dialogaram com os mentorados (jovens) para contar como chegaram aonde estão profissionalmente, sanar dúvidas e acolher as expectativas dos jovens sobre como superar os desafios que, muitas vezes, tendem a dificultar a caminhada em direção à realização profissional. 

“Neste ano, durante a realização das reuniões on-line do programa, os jovens definiram dois temas para explorar no Dia Viva Unido com os mentores voluntários: diversidade e responsabilidade social das empresas. Por isso, as conversas trouxeram essas duas temáticas como ponto de partida. Cada empresa explicou quais são suas políticas internas e como elas favorecem a inclusão dos diferentes stakeholders, além de apresentar soluções diferentes para lidar com a questão ambiental e social. Essa explanação mostrou o nível de engajamento das empresas com esses temas, que podem servir de parâmetro ao jovem quando tiver que escolher onde ele quer atuar profissionalmente”, conta Cintia Kogeyama, coordenadora da área de juventude da United Way Brasil.

As percepções dos jovens

O Dia Viva Unido Juventude tem como objetivo proporcionar aos jovens mais informações sobre as empresas e as diferentes profissões, com base na trajetória e percepção dos mentores voluntários. Em 2020, 128 jovens, de 16 a 27 anos, participaram dessa experiência. Eles estão ligados às organizações parceiras da United Way: ONG Pró-Morato e Coletivo Ermelino Matarazzo (SP), Coletivos Vila Rica e Cabo (PE) e os jovens aprendizes da empresa Lear (SC).

Nesta edição, os jovens foram mais a fundo para entender o quanto as empresas trabalham a diversidade e a responsabilidade social no dia a dia de suas equipes.

Do total dos participantes, 80 responderam a uma avaliação sobre essa experiência, sendo que, em uma escala de 1 a 5, 65 deram nota 5 para as políticas de diversidade e responsabilidade social das empresas; 63 aprovaram a agenda do Dia Viva Unido e 69 deram a nota máxima (5) ao evento.

“Foi uma experiência muito gratificante. Os voluntários são maravilhosos, sempre com um assunto na ponta da língua”, avaliou um dos jovens participantes. Outro ainda reforçou: “Foi muito bom e me trouxe muito conhecimento sobre as áreas da empresa”.

As percepções dos voluntários

O voluntariado corporativo é um dos pilares de atuação da United Way Brasil, promovido pelo Dia Viva Unido Juventude com o objetivo de fortalecer a causa dos jovens e de estimular a participação dos colaboradores em uma ação que terá impacto no sucesso profissional dos jovens do Programa Competências para a Vida. 

Em 2020, 63 colaboradores das empresas parceiras se candidataram para serem mentores do Dia Viva Unido Juventude. Do total, 34 responderam à pesquisa de avaliação, sendo que 27 deram nota máxima para o evento (5). Todos afirmaram que querem participar dessa experiência novamente e 28 dos respondentes acharam que suas empresas foram eficientes na divulgação da iniciativa para engajar suas equipes.

“Evento e proposta maravilhosos. Eu particularmente gostaria de estar presente em todos os eventos. Fiquei muito feliz”, revela um dos mentores voluntários. Outro ainda reforçou a importância da iniciativa: “Parabéns pela atitude da United Way Brasil e, principalmente, pela disposição dos jovens em participar! É tão bom para todos nós vermos que ainda existem tantas pessoas interessadas em pessoas”.

O Dia Viva Unido Juventude 2020 contou com a parceria e o engajamento das seguintes empresas: Eastman, Ecolab, Eli Lilly, Lear, Learn to Fly, Morgan Stanley, Owens IIIinois Brasil, PricewaterhouseCoopers, P&G.

Para saber mais sobre o voluntariado corporativo da United Way Brasil, acesse: https://unitedwaybrasil.org.br/o-que-fazemos/nossos-programas/voluntariado/

Documentário traz à discussão a relevância da natureza no desenvolvimento infantil

“O Começo da Vida 2- Lá Fora”, lançado dia 12 de novembro, mostra como a relação com a natureza influencia a saúde física e emocional das crianças e pode ser decisiva para o bem-estar coletivo. A United Way é uma das organizações que apoiam a realização do documentário.

O Começo da Vida 2 – Lá fora” é mais que um filme, porque lança um movimento para promover uma vida saudável às pessoas e ao planeta. O documentário traz uma reflexão urgente, especialmente em tempos de pandemia, sobre como vivenciamos nossa conexão com a natureza e de que forma trabalhamos essa relação com nossas crianças.

Sempre pautada em evidências, a narrativa do documentário indica que doenças como obesidade, hiperatividade, transtorno de sono, baixa motricidade e miopia podem ser prevenidas se a natureza for encarada como necessidade e não como algo secundário, acessado vez ou outra pelas pessoas. Também deixa claro que quando existe essa conexão muitos desafios contemporâneos tendem a ser superados e os indivíduos passam a ter mais chances de construir uma vida bem-sucedida, em diferentes aspectos. Outro ganho social da interação com a natureza, especialmente durante a infância, é a formação de adultos comprometidos com a preservação do meio ambiente. 

Muitas cidades, nas diferentes partes do mundo, já implementam estratégias que promovem essa conexão mais cotidiana e, portanto, estão colhendo frutos para o presente e, consequentemente, o futuro de suas populações. O documentário mostra essas experiências em centros urbanos do Brasil, México, Chile, Peru e Estados Unidos. 

Um movimento coletivo e urgente

Produzido pela Maria Farinha Filmes e realizado pelo Instituto Alana,O Começo da Vida 2 – Lá fora” tem como um de seus apoiadores a United Way. “O documentário mostra claramente a efetiva importância da natureza no desenvolvimento infantil, fato que ainda não está na pauta das questões prioritárias voltadas à primeira infância. Nossas crianças precisam de espaços seguros junto à natureza para que possam fazer suas descobertas a partir do contato com suas raízes, entendendo que elas são parte desse ecossistema. O filme é uma ótima estratégia de mobilização capaz de envolver diferentes atores e incidir em políticas públicas que atuem por essa interação. Também é uma ferramenta para trabalhar o tema com as famílias, que são foco de nosso programa de primeira infância. Essas são algumas das motivações que levaram a United Way a apoiar esse projeto incrível”, explica Gabriella Bighetti, diretora-executiva da United Way Brasil.

Laís Fleury, coordenadora do programa Criança e Natureza, do Instituto Alana, reforça o papel pedagógico e de conscientização do filme, que “aponta caminhos possíveis para inserir pequenas doses de natureza no dia a dia das crianças, como um potente investimento no bem-estar e no vínculo com o outro, seja dentro da família ou entre amigos.”

Para Luana Lobo, sócia-diretora da Flow (distribuidora de projetos culturais de impacto) e da Maria Farinha Filmes, “este novo documentário é uma importante janela para a sociedade repensar seu contato e vínculo com o meio ambiente. E para que essa mensagem urgente alcance mais pessoas, construímos alianças com os principais interlocutores da sociedade civil, instituições e organizações do mundo que têm legitimidade dentro do assunto. É uma honra termos a United Way com a gente, desde o início desse projeto.”

Você pode assistir ao documentário, disponível no Netflix, ou por meio da plataforma Videocamp, e, também, apoiar esse movimento, ampliando seu impacto na sociedade. Para saber mais, acesse:

Para assistir ao trailer, clique aqui: https://www.youtube.com/watch?v=9yNv6U02W1M&feature=emb_logo

FICHA TÉCNICAArgumento: Ana Lúcia Villela, Laís Fleury e Renata Terra Direção de Fotografia: Janice D’Avila, David Reeks e Tomaz Viola Montagem: ​Renata Terra e Victor Miaciro Trilha Sonora Original: Arthur Decloedt Roteiro e Direção: ​Renata Terra Produção Executiva: Flavia Dória, Juliana Borges, Mariana Mecchi, Mariana Oliva e Taís Caetano Supervisão de Pós Produção: Geisa França Produzido por: Ana Lúcia Villela, Estela Renner, Marcos Nisti e Luana Lobo.

Ação de voluntariado reúne empresas e colaboradores em favor da primeira infância

O Dia Viva Unido Primeira Infância, realizado pela United Way Brasil, ganhou novo formato para atender às restrições impostas pela pandemia, sem perder o objetivo de apoiar famílias vulneráveis com crianças de 0 a 6 anos.

Um dos pilares do trabalho da United Way Brasil, responsável por articular diferentes atores para que atuem em favor de causas sociais, é o voluntariado corporativo.

Todos os anos, para colaborar com o desenvolvimento infantil e a parentalidade positiva de famílias em situação de vulnerabilidade, a organização promove o Dia Viva Unido Primeira Infância, quando reúne os colaboradores das empresas associadas e parceiras para realizar iniciativas de integração e de melhorias nos espaços frequentados por crianças de 0 a 6 anos (creches, CEIs, praças etc.), atendidas pelo Programa Crescer Aprendendo.

A ação envolve uma ampla mobilização tanto da United Way Brasil como das empresas, que abrem espaço às suas equipes para que integrem a proposta, dando suporte à participação ativa do Dia Viva Unido.

Com a pandemia causada pelo coronavírus, que exigiu o isolamento social, a equipe da United Way Brasil repensou o formato do Dia Viva Unido, imprescindível em um momento tão complexo.

Por isso, a edição do Dia Viva Unido Primeira Infância de 2020 foi totalmente digital para os voluntários, que se inscreveram em no hot site do evento e escolherem uma dentre as atividades propostas: contação de histórias, show de talentos e doação de kit lúdico.

Live promove interação de crianças e suas famílias

No dia 6 de novembro, nas páginas do Facebook e do YouTube da United Way Brasil, as famílias atendidas pelo Programa Crescer Aprendendo e os voluntários se encontraram virtualmente na live Dia Viva Unido Primeira Infância.

Conduzida pela atriz Carol Loback, e com a abertura realizada por Gabriela Bighetti, diretora-executiva da United Way Brasil, e Orson Rhazes Ledezma Castro, Presidente do Conselho da organização, a live mostrou os talentos de diferentes voluntários, em um show com música e malabarismo. Também compartilhou cenas do drive-thru, realizado no Centro de Educação Infantil Albertina, em São Paulo, para as crianças que, devidamente protegidas, foram receber os kits lúdicos, doados pelos voluntários, das mãos de professores e funcionários.

Outro ponto forte da live foi o bate-papo com a mãe, blogueira e uma das idealizadoras do site Tempo Junto, Patrícia Camargo. Por quase uma hora, Pat falou sobre a importância do brincar no desenvolvimento infantil e deu dicas de brincadeiras, “agitando” o chat, com muita conversa e trocas sobre as experiências de brincar que pais, responsáveis e crianças estavam vivenciando ao vivo.

O Dia Viva Unido Primeira Infância no formato digital foi um marco no voluntariado corporativo da United Way Brasil, porque, apesar de todos os desafios, conseguiu atingir a marca histórica de mais de 2 mil famílias de 12 cidades e 4 estados beneficiadas pelas ações desenvolvidas.

Essa edição contou com a parceria de 14 empresas e a participação de 160 voluntários que dedicaram tempo, recursos e habilidades para fomentar o desenvolvimento saudável de crianças na primeira infância. 

Clique no link para ver ou rever os melhores momentos do Dia Viva Unido: https://www.youtube.com/watch?v=m96-Zi3ZSa0&list=PL678y5q5ihcdGQ4lRU77VhxBmYX-omblc&index=13

Para mais informações sobre como fazer parte do voluntariado corporativo da United Way Brasil, acesse: https://unitedwaybrasil.org.br/o-que-fazemos/nossos-programas/voluntariado/