Um ciclo se fecha e muitas portas se abrem

As primeiras turmas de 2021 do programa Competências para a Vida encerraram o ciclo do programa com evento on-line para os jovens participantes traçarem os próximos passos rumo ao futuro. Criar uma rede de apoio é um deles.

Entre reuniões formativas e mentorias com os colaboradores voluntários das empresas parceiras do programa, foram 12 encontros no total, todos virtuais. Os 60 jovens, de São Paulo (Francisco Morato) e Pernambuco (Jaboatão dos Guararapes), trilharam uma jornada de autoconhecimento e desenvolvimento de competências socioemocionais para elaborar um projeto de vida em sintonia com seus sonhos, preparando-os para um futuro promissor a partir de ações e decisões intencionais que favoreçam o seu sucesso como cidadãos e profissionais. 

Os desafios que já enfrentam, e que se ampliaram no contexto da pandemia, não são mais obstáculos para perseguir seus propósitos. Os jovens sabem que não estão sozinhos e essa certeza os fortalece. O entusiasmo e a determinação parecem ser as características comuns que carregam consigo na bagagem que construíram durante o programa. 

Na reunião que encerrou o ciclo do Competências para a Vida, o clima de mútua ajuda e cooperação esteve presente nas falas e dinâmicas que realizaram durante o encontro, norteado por três temas-chave: os hábitos do dia a dia como aliados para conquistar objetivos; a rede de apoio que criaram durante essa jornada e que continuará depois dela; e a celebração do processo de aprendizagem que empreenderam juntos e que abrirá portas para novas oportunidades.

Os mini-hábitos e a rede de apoio para alcançar objetivos

O programa Competências para a Vida oferece aos jovens uma formação pautada na prática cotidiana, que faça sentido às suas realidades. Um dos temas desse processo é a questão dos hábitos e de como usá-los para vencer barreiras e alcançar objetivos. Nada de traçar metas que não serão cumpridas, gerando frustração. O lema é começar com um pouco e avançar a cada dia. “Utilizei os mini-hábitos para construir o hábito da leitura. A maior dificuldade é começar, mas depois que você dá o primeiro passo, é fácil continuar”, revela Gabriel Pereira Mendonça, de Jaboatão dos Guararapes (PE).

Depois que os bons hábitos estão incorporados à rotina, é importante mantê-los e, para isso, nada melhor do que uma rede de apoio. Com o objetivo de mostrar a potência dessa rede, no evento de encerramento os jovens foram convidados a compartilhar o que estão dispostos a oferecer como colaboração para fortalecer as relações que estabeleceram nos três meses de programa. Não faltaram habilidades: “posso dar aulas de inglês”; “eu dou aulas de música”, “ensino a fazer atividades físicas”, “eu sou muito motivada e possa ajudar quem está desanimado”, “eu gosto de ouvir, então, podem contar comigo”, “posso ajudar a manter a saúde boa”, “ajudo na preparação para o Enem”, “vamos praticar empatia”… Com base nessa corrente de boas práticas coletivas, os jovens vão concretizar a rede em uma página no Linkedin para, também, ter contato com o mundo do trabalho, transitando em espaços profissionais que sejam portas de oportunidades para suas vidas.

Diagrama

Descrição gerada automaticamente com confiança baixa

Celebração dos melhores momentos

Na última parte do encontro virtual, os jovens contaram sobre o que mais gostaram das vivências que tiveram do programa.

“As mentorias são excelentes e mostraram que todos agora estão bem resolvidos. As nossas conversas eram incríveis e parecia que já nos conhecíamos muito bem”, comentou Matheus Henrique, jovem de Jaboatão dos Guararapes.

Acqueline Barbosa, da mesma cidade, declarou: “O plano de ação foi o que mais me tocou. Eu já tinha algumas metas, mas não sabia qual delas era a principal. Quando a defini, as outras ficaram mais claras e possíveis”.

Muitos jovens se disseram impressionados com o DISC, teste que avalia o comportamento das pessoas, criado pelo psicólogo William Moulton Marston, tema de alguns encontros formativos. “O DISC me ‘assustou’ (risos)! Cada coisa que eu via ali, me ‘assustava’. Porque tudo era eu mesmo. Eu sou assim. Vi pontos que posso melhorar e as mentorias ajudaram nisso”, conta Matheus Henrique.

Para Sabrina Custódio, de Francisco Morato, “tudo que a gente vivenciou a gente aplicou em cada momento, aprendendo a nos conhecer para passar por novas experiências”. Emilly, de Jaboatão do Guararapes, passou por um recente processo seletivo e foi aprovada: “Na seleção, lembrava o tempo todo das mentorias. Parecia que eu ouvia os mentores falando no meu ouvido. O programa vale muito a pena. Tem de continuar, porque é um programa que acredita nos jovens”.

Uma pesquisa feita com os facilitadores do Competências para a Vida confirmou os depoimentos dos jovens e suas descobertas. Segundo os respondentes, os participantes estavam 100% engajados na proposta. Para os mentores, o envolvimento dos jovens foi bom e excelente, assim como sua motivação ao final do processo.

O programa Competências para a Vida é uma realização da United Way Brasil e das empresas associadas e parceiras. Saiba mais: https://unitedwaybrasil.org.br/o-que-fazemos/nossos-programas/competencias-para-a-vida/