Saúde integral da criança

Ser saudável não é só não estar doente. O bem-estar integral da criança reúne aspectos físicos, mentais e de segurança. Zelar para que ela receba todo o suporte para manter sua saúde física e emocional é uma tarefa que começa em casa, com os familiares, estendendo-se aos demais ambientes frequentados pela criança.

Orientações extraídas das lives realizadas para as famílias do programa Crescer Aprendendo, para embasar o dia a dia dos pais e cuidadores e o trabalho de formação e orientação dos profissionais ligados às áreas do desenvolvimento infantil.

Baixe aqui.

Ideias para familiares, cuidadores e formadores aplicarem o tema na prática e apoiar as crianças para que possam se desenvolver integralmente.

Baixe aqui.

Faça o download e colecione frases inspiradoras para famílias, formadores e profissionais que atuam com a primeira infância e apoiam pais e cuidadores no dia a dia com suas crianças.

Baixe aqui.

Vídeos sobre o tema, realizados por especialistas, exclusivamente para o programa Crescer Aprendendo, com informações e orientações para as famílias, formadores e profissionais voltados à primeira infância.

Saúde da criança

A enfermeira Clariana Oliveira dá dicas sobre medição de temperatura e demais sinais de alerta que podem indicar problemas de saúde na criança, necessitando ou não de atendimento médico no posto de saúde. Também explica por que é melhor levar a criança ao posto e não ao pronto socorro do hospital.

Prevenção de acidentes

Neste vídeo, a enfermeira Leticia Silva compartilha informações e orientações para que pais e cuidadores possam prevenir acidentes domésticos que, muitas vezes, são causados por desconhecimento, imprudência e desatenção dos adultos.

A saúde mental da criança

A enfermeira Clariana Oliveira compartilha dicas e informações para que pais, cuidadores e profissionais da primeira infância possam identificar quando a saúde emocional da criança está fragilizada. Ela dá orientações sobre o que fazer para cuidar dessa criança e reverter o quadro de ansiedade ou depressão, por exemplo.

Um ambiente saudável para a criança

A especialista Lucila Faleiros traz neste vídeo orientações de como manter o ambiente acolhedor, por meio de relações positivas, espaços seguros, higiene e rotinas equilibradas que trazem conforto, bem-estar e saúde à criança e, consequentemente, para toda a família.

A rotina do sono e a saúde da criança

Enquanto dorme, a criança também se desenvolve. Por isso, é preciso criar uma rotina para que ela tenha um sono de qualidade, durante o dia e à noite. A enfermeira Leticia Silva, especialista em desenvolvimento infantil, dá dicas de como criar essa rotina.

Especial: retorno pós-pandemia Covid-19

A volta à rotina fora de casa, depois de meses em isolamento social, é o tema que o pediatra Daniel Becker traz neste vídeo, com orientações que podem fazer a diferença na saúde das crianças. Embora seja focado nos cuidados para enfrentar a Covid-19, o especialista faz ponderações importantes para todos os momentos.

Materiais de consulta para ampliar os conhecimentos e as práticas sobre o tema, voltados a pais, cuidadores, formadores e profissionais do desenvolvimento infantil.

Todas as fontes usadas para elaborar os conteúdos do Crescer Aprendendo e que também servem como pesquisa para o aprofundamento dos temas.

AMERICAN PSYCHOLOGICAL ASSOCIATION. ACT program for parents. Disponível em: < https://www.apa.org/act/parents >. Acesso em: jan. 2021.

BEBÊ ABRIL. Porque é importante incentivar os filhos a ajudar nas tarefas de casa. Disponível em: <https://bebe.abril.com.br/familia/por-que-e-importante-incentivar-os-filhos-a-ajudar-nas-tarefas-de-casa/> Acesso em: jan. 2021

BHERING, E.; DE NEZ, T. B. Envolvimento de pais em creche: possibilidades e dificuldades de parceria. Psicologia: teoria e pesquisa. v. 18, n. 1, pp. 063-073. Jan.-Abr. 2002.

BRASIL. Decreto de Lei Nº 13.257. Brasília, 8 de mar. de 2016. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13257.htm >. Acesso em: jan. 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 5 de out. de 1988. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm >. Acesso em: jan. 2021.

BOLETIM DO INSTITUTO DE SAÚDE. Estratégias para alcançar um desenvolvimento infantil integral. v. 16, n. 1, p. 1­135, 2015.

CANAL BLOOM. Disponível em: < https://canalbloom.com/ >. Acesso em: jan. 2021.

CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO DA PRIMEIRA INFÂNCIA. De olho no temperamento: compreendendo a personalidade do seu filho. Parceria com a Rede Estratégica de Conhecimentos sobre o Desenvolvimento na Primeira Infância. Disponível em: < http://www.enciclopedia-crianca.com/sites/default/files/docs/coups-oeil/temperamento-info.pdf >. Acesso em: jan. 2021.

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DA CIDADE DE SÃO PAULO (CMDCA). Estatuto da Criança e do Adolescente. São Paulo, 2006.

CRIANÇA SEGURA BRASIL. Os acidentes em números. S.d. Disponível em: < https://criancasegura.org.br/dados-de acidentes/?gclid=Cj0KCQjwpfHzBRCiARIsAHHzyZrHLTQMR_69HBo2k3VYRKXbXnmQoFDXI-vdejbe9TYtp-rT5JwNMIcaAqoSEALw_wcB > Acesso em 31 de março de 2020 >. Acesso em: jan. 2021.

CYPEL, S. (org.). Fundamentos do desenvolvimento infantil: da gestação aos três anos. São Paulo: Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, 2011.

D’ANDREA. Desenvolvimento da personalidade. São Paulo: Difel, 1984. 

DOLTO, F. Os caminhos da educação. Tradução: Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1998. 

FAJARDO, I. N. Resiliência e educação: exemplo das escolas do amanhã. 1ª ed. Curitiba: Appris, 2015. 

FALK, J. (org.). Abordagem Pikler: educação infantil. Tradução: Guillermo Blanco Ordaz. São Paulo: Omnisciência, 2016. Coleção Primeira Infância: educar de 0 a 6.  

FUNDAÇÃO ABRINQ. Estratificação da população estimada pelo IBGE segundo faixas etárias. 2019. Observatório da criança e do adolescente. Disponível em: < https://observatoriocrianca.org.br/cenario-infancia/temas/populacao/1048-estratificacao-da-populacao-estimada-pelo-ibge-segundo-faixas-etarias?filters=1,1621 >. Acesso em: jan. 2021.

FUNDAÇÃO MARIA CECILIA SOUTO VIDIGAL. Amamentar: dicas práticas para tornar mais fácil e gostosa a hora da mamada. São Paulo: Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, 2014 a. Coleção Primeiríssima Infância. Folheto 6. 

FUNDAÇÃO MARIA CECILIA SOUTO VIDIGAL. Desmame: a hora de oferecer outros alimentos ao bebê. São Paulo: Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, 2014 b. Coleção Primeiríssima Infância. Folheto 7. 

FUNDAÇÃO MARIA CECILIA SOUTO VIDIGAL. Primeira infância em pauta. S.d. Disponível em: < https://www.primeirainfanciaempauta.org.br/a-crianca-e-os-outros-a-familia.html >. Acesso em: jan. 2021.

FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO (CANAL FUTURA); FUNDAÇÃO MARIA CECILIA SOUTO VIDIGAL. Nota 10 primeira infância: do nascimento aos três anos. 2013. Disponível em: < https://www.fmcsv.org.br/pt-BR/biblioteca/nota-10-primeira-infancia—0-a-3-anos/ >. Acesso em: jan. 2021. 

GIMAL, P. C.; AGUIAR, S. Infância vivenciada. São Paulo: Paulinas, 2013. Coleção Pedagogia e Educação. Série ação educativa. 

HECKMAN, J. J. Investir no desenvolvimento da primeira infância: reduzir deficits, fortalecer a economia. A Equação Heckman. 2013. Disponível em: < https://heckmanequation.org/www/assets/2017/01/D_Heckman_FMCSV_ReduceDeficit_012215.pdf >. Acesso em: jan. 2021.

INSTITUTO ALANA. Criança, a Alma do Negócio. Direção de Estela Renner. Maria Farinha Filmes. 2008. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=ur9lIf4RaZ4 >. Acesso em: jan. 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais de 2018: uma análise das condições de vida da população brasileira. Disponível em: < https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/media/com_mediaibge/arquivos/ce915924b20133cf3f9ec2d45c2542b0.pdf >. Acesso em jan. 2021. 

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais de 2019: uma análise das condições de vida da população brasileira. Disponível em: < https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101678.pdf >. Acesso em: jan. 2021. 

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Tábua completa de mortalidade para o Brasil – 2018: breve análise da evolução da mortalidade no Brasil. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: < https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/3097/tcmb_2018.pdf >. Acesso em: jan. 2021.

JACOB, M. Q. A promoção da resiliência nos educadores: uma alternativa para a saúde mental na escola. Revista Pedagogia em Foco, Iturama (MG), v. 9, n. 1, jan.-jun. 2014. 

KAPLAN, H. I.; SADOCK, B. J.; GREBB, J. A. Compêndio de psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica. Tradução: Dayse Batista. – 7ª ed. – Porto Alegre: Artmed, 1997.

MARINO, E.; HARASAWA, E.; PLUCIENNIK, G. A. (org.). Dez passos para implementar um programa para a primeiríssima infância. 1ª ed. São Paulo: Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, 2014. Coleção Primeiríssima Infância, v. 1.

MEDINA, J. A ciência dos bebês: da gravidez aos cinco anos – como criar filhos inteligentes e felizes. Tradução de Laura Alves e Aurélio Rebello. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.  

MELLO, T.; RUBIO, J. A. S. A Importância da afetividade na relação professor/aluno no processo de ensino/aprendizagem na educação infantil. Revista Eletrônica Saberes da Educação. V. 4, n. 1, 2013.

MINATEL, I. O que o método Montessori pode trazer para a sua família? 2016. Parceria com Mundo em Cores.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO; UNESCO. Escola que protege: enfrentando a violência contra crianças e adolescentes, in: Coleção Educação para Todos. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/escqprote_eletronico.pdf. Acesso em: jan. 2021.

MINISTÉRIO DA MULHER, DA FAMÍLIA E DOS DIREITOS HUMANOS. Balanço Disque 100. Brasília, 2019. Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/acesso-a-informacao/ouvidoria/balanco-disque-100.  Acesso em: jan. 2021.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia alimentar para crianças brasileiras menores de 2 anos. Brasília, 2019.

MONTORO, G. Vínculo Mãe­Filho: aqui nasce a capacidade de amar. Revista Psicologia Atual. Ano V, 1982.

OGATA, A. (coord.). Profissionais saudáveis, empresas produtivas: como promover um estilo de vida saudável no ambiente de trabalho e criar oportunidades para trabalhadores e empresas. Rio de Janeiro: Elsevier. Sesi, 2012.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Manual para vigilância do desenvolvimento infantil no contexto da AIDPI. Washington, D.C.: OPAS, © 2005.

PAPALIA, D. E.; FELDMAN, R. D.; MARTORELL, G. Desenvolvimento humano. Tradução: Cristina Macedo; Mauro de Campos Silva. 12ª ed. Porto Alegre: AMGH, 2013. 

PARKIN, S. O divergente positivo: liderança em sustentabilidade em um mundo perverso. Tradução: Gilson César Cardoso de Souza. São Paulo: Peirópolis, 2014. 

PENN, H. Primeira infância: a visão do Banco Mundial. Cadernos de pesquisa, n. 115: p. 7­24, 2002.

REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA. Proteção e prevenção às violências na primeira infância. Disponível em: https://naobataeduque.org.br/site2017/wp-content/uploads/2019/09/RNPI_KIT-Viol%C3%AAncia.pdf. Acesso em: jan. 2021.

REDE NOSSA SÃO PAULO. Mapa da desigualdade da primeira infância 2020. Parceria com Bernard van Leer Foundation. Disponível em: < https://www.nossasaopaulo.org.br/wp-content/uploads/2020/02/Mapa_PrimeiraInfancia-2020-completo.pdf >. Acesso em: jan. 2021. 

RODRIGUES, C. D.; CHAVES, L. B.; CARLOTTO, M. S. Síndrome de Burnout em professores de educação pré-escolar. Interação em Psicologia, 14(2), 197-204, 2010. 

SALGADO, J. A importância de ler os rótulos dos alimentos. Jornal da USP. 24 de jun. 2016. Atualidades. Disponível em: < https://jornal.usp.br/atualidades/a-importancia-de-ler-os-rotulos-dos-alimentos/ >. Acesso em: jan. 2021.

SANTOS, M. D. et al. Formação em pré-natal, puerpério e amamentação: práticas ampliadas. 1ª ed. São Paulo: Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, 2014. Coleção Primeiríssima Infância, v. 3.

SERAPIONI, M. O papel da família e das redes primárias na reestruturação das políticas sociais. Ciência e saúde coletiva. Rio de Janeiro, v. 10, suppl. 0, p. 243-253, set.-dez. 2005. 

SILVA, J. A. ACT: uma possibilidade de prevenção universal à violência contra a criança. São Carlos: UFSCar, 2014. Disponível em: < https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/8269/DissJAS.pdf?sequence=1&isAllowed=y >. Acesso em: jan. 2021.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Pirâmide alimentar. S.d. Disponível em: < https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/pdfs/14297e1-cartaz_Piramide.pdf >. Acesso em: jan. 2021.

UNESCO. Políticas para a primeira infância: notas sobre experiências internacionais. Brasília: Unesco, 2005.

UNICEF. A criança do 2° ao 12° mês. 2013 a. Kit família brasileira fortalecida. Álbum 3. Disponível em: < https://www.unicef.org/brazil/sites/unicef.org.brazil/files/2019-03/br_kit_fbf_album3_2013.pdf >. Acesso em: jan. 2021.

UNICEF. A criança de 1 a 3 anos. 2013 b. Kit família brasileira fortalecida. Álbum 4. Disponível em: < https://www.unicef.org/brazil/sites/unicef.org.brazil/files/2019-03/br_kit_fbf_album4_2013.pdf >. Acesso em: jan. 2021.

UNICEF. A criança de 4 a 6 anos. 2013 c. Kit família brasileira fortalecida. Álbum 5. Disponível em: < https://www.unicef.org/brazil/sites/unicef.org.brazil/files/2019-03/br_kit_fbf_album5_2013.pdf >. Acesso em: jan. 2021.

UNICEF. Situação da infância brasileira: crianças de até seis anos ‒ o direito à sobrevivência e ao desenvolvimento. Brasília: Unicef, 2005.

UNICEF. Situação das crianças e dos adolescentes no Brasil. S.d. Disponível em: < https://www.unicef.org/brazil/situacao-das-criancas-e-dos-adolescentes-no-brasil >. Acesso em: jan. 2021.

WEBER, L. N. D. et al. Identificação de estilos parentais: o ponto de vista dos pais e dos filhos. Psicologia: reflexão e crítica. 2004, 17 (3), pp. 323-331.YOUNG, M. E. (org.). Do desenvolvimento da primeira infância ao desenvolvimento humano: investindo no futuro de nossas crianças. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, 2010.