Papel da familia

A família, independentemente de sua configuração, é essencial para o bom desenvolvimento da criança e se caracteriza como um espaço de referência para relações, aprendizados, valores e posturas que filhos e filhas vão construindo para suas vidas.

Ideias para familiares, cuidadores e formadores aplicarem o tema na prática e apoiar as crianças para que possam se desenvolver integralmente.

Baixe aqui.

Orientações extraídas das lives realizadas para as famílias do programa Crescer Aprendendo, para embasar o dia a dia dos pais e cuidadores e o trabalho de formação e orientação dos profissionais ligados às áreas do desenvolvimento infantil.

Baixe aqui.

Faça o download e colecione frases inspiradoras para famílias, formadores e profissionais, que atuam com a primeira infância e apoiam pais e cuidadores no dia a dia com suas crianças.

Baixe aqui.

Vídeos sobre o tema, realizados por especialistas, exclusivamente para o programa Crescer Aprendendo, com informações e orientações para as famílias, formadores e profissionais voltados à primeira infância.

A importância da comunicação

O psicólogo Alexandre Coimbra faz uma importante reflexão sobre as formas de diálogo que pais e cuidadores podem construir com as crianças, cumprindo o papel da família de acolher, ouvir e conversar para tomar decisões e criar um ambiente tranquilo e saudável ao desenvolvimento infantil.

Limites sem violência

O pediatra Daniel Becker faz importantes ponderações sobre a necessidade de pais e cuidadores estabelecerem limites para a criança. Ele chama a atenção às maneiras inadequadas de se fazer isso, como o uso da violência, e expõe formas mais saudáveis que geram segurança e harmonia no dia a dia das famílias.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Quis ipsum suspendisse ultrices gravida. Risus commodo viverra maecenas accumsan lacus vel facilisis.

Materiais de consulta para ampliar os conhecimentos e as práticas sobre o tema, voltados a pais, cuidadores, formadores e profissionais do desenvolvimento infantil.

Ideias para familiares, cuidadores e formadores aplicarem o tema na prática e apoiar as crianças para que possam se desenvolver integralmente.

Informações complementares de pesquisas e estudos para mapear cenários e apoiar as reflexões e ações de famílias, formadores e profissionais de primeira infância nos diferentes temas relacionados ao desenvolvimento infantil.

Todas as fontes usadas para elaborar os conteúdos do Crescer Aprendendo e que também servem como pesquisa para o aprofundamento dos temas.

AMERICAN PSYCHOLOGICAL ASSOCIATION. ACT program for parents. Disponível em: < https://www.apa.org/act/parents >. Acesso em: jan. 2021.

BEBÊ ABRIL. Porque é importante incentivar os filhos a ajudar nas tarefas de casa. Disponível em: <https://bebe.abril.com.br/familia/por-que-e-importante-incentivar-os-filhos-a-ajudar-nas-tarefas-de-casa/> Acesso em: jan. 2021

BHERING, E.; DE NEZ, T. B. Envolvimento de pais em creche: possibilidades e dificuldades de parceria. Psicologia: teoria e pesquisa. v. 18, n. 1, pp. 063-073. Jan.-Abr. 2002.

BRASIL. Decreto de Lei Nº 13.257. Brasília, 8 de mar. de 2016. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13257.htm >. Acesso em: jan. 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 5 de out. de 1988. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm >. Acesso em: jan. 2021.

BOLETIM DO INSTITUTO DE SAÚDE. Estratégias para alcançar um desenvolvimento infantil integral. v. 16, n. 1, p. 1­135, 2015.

CANAL BLOOM. Disponível em: < https://canalbloom.com/ >. Acesso em: jan. 2021.

CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO DA PRIMEIRA INFÂNCIA. De olho no temperamento: compreendendo a personalidade do seu filho. Parceria com a Rede Estratégica de Conhecimentos sobre o Desenvolvimento na Primeira Infância. Disponível em: < http://www.enciclopedia-crianca.com/sites/default/files/docs/coups-oeil/temperamento-info.pdf >. Acesso em: jan. 2021.

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DA CIDADE DE SÃO PAULO (CMDCA). Estatuto da Criança e do Adolescente. São Paulo, 2006.

CRIANÇA SEGURA BRASIL. Os acidentes em números. S.d. Disponível em: < https://criancasegura.org.br/dados-de acidentes/?gclid=Cj0KCQjwpfHzBRCiARIsAHHzyZrHLTQMR_69HBo2k3VYRKXbXnmQoFDXI-vdejbe9TYtp-rT5JwNMIcaAqoSEALw_wcB > Acesso em 31 de março de 2020 >. Acesso em: jan. 2021.

CYPEL, S. (org.). Fundamentos do desenvolvimento infantil: da gestação aos três anos. São Paulo: Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, 2011.

D’ANDREA. Desenvolvimento da personalidade. São Paulo: Difel, 1984. 

DOLTO, F. Os caminhos da educação. Tradução: Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1998. 

FAJARDO, I. N. Resiliência e educação: exemplo das escolas do amanhã. 1ª ed. Curitiba: Appris, 2015. 

FALK, J. (org.). Abordagem Pikler: educação infantil. Tradução: Guillermo Blanco Ordaz. São Paulo: Omnisciência, 2016. Coleção Primeira Infância: educar de 0 a 6.  

FUNDAÇÃO ABRINQ. Estratificação da população estimada pelo IBGE segundo faixas etárias. 2019. Observatório da criança e do adolescente. Disponível em: < https://observatoriocrianca.org.br/cenario-infancia/temas/populacao/1048-estratificacao-da-populacao-estimada-pelo-ibge-segundo-faixas-etarias?filters=1,1621 >. Acesso em: jan. 2021.

FUNDAÇÃO MARIA CECILIA SOUTO VIDIGAL. Amamentar: dicas práticas para tornar mais fácil e gostosa a hora da mamada. São Paulo: Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, 2014 a. Coleção Primeiríssima Infância. Folheto 6. 

FUNDAÇÃO MARIA CECILIA SOUTO VIDIGAL. Desmame: a hora de oferecer outros alimentos ao bebê. São Paulo: Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, 2014 b. Coleção Primeiríssima Infância. Folheto 7. 

FUNDAÇÃO MARIA CECILIA SOUTO VIDIGAL. Primeira infância em pauta. S.d. Disponível em: < https://www.primeirainfanciaempauta.org.br/a-crianca-e-os-outros-a-familia.html >. Acesso em: jan. 2021.

FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO (CANAL FUTURA); FUNDAÇÃO MARIA CECILIA SOUTO VIDIGAL. Nota 10 primeira infância: do nascimento aos três anos. 2013. Disponível em: < https://www.fmcsv.org.br/pt-BR/biblioteca/nota-10-primeira-infancia—0-a-3-anos/ >. Acesso em: jan. 2021. 

GIMAL, P. C.; AGUIAR, S. Infância vivenciada. São Paulo: Paulinas, 2013. Coleção Pedagogia e Educação. Série ação educativa. 

HECKMAN, J. J. Investir no desenvolvimento da primeira infância: reduzir deficits, fortalecer a economia. A Equação Heckman. 2013. Disponível em: < https://heckmanequation.org/www/assets/2017/01/D_Heckman_FMCSV_ReduceDeficit_012215.pdf >. Acesso em: jan. 2021.

INSTITUTO ALANA. Criança, a Alma do Negócio. Direção de Estela Renner. Maria Farinha Filmes. 2008. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=ur9lIf4RaZ4 >. Acesso em: jan. 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais de 2018: uma análise das condições de vida da população brasileira. Disponível em: < https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/media/com_mediaibge/arquivos/ce915924b20133cf3f9ec2d45c2542b0.pdf >. Acesso em jan. 2021. 

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais de 2019: uma análise das condições de vida da população brasileira. Disponível em: < https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101678.pdf >. Acesso em: jan. 2021. 

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Tábua completa de mortalidade para o Brasil – 2018: breve análise da evolução da mortalidade no Brasil. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: < https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/3097/tcmb_2018.pdf >. Acesso em: jan. 2021.

JACOB, M. Q. A promoção da resiliência nos educadores: uma alternativa para a saúde mental na escola. Revista Pedagogia em Foco, Iturama (MG), v. 9, n. 1, jan.-jun. 2014. 

KAPLAN, H. I.; SADOCK, B. J.; GREBB, J. A. Compêndio de psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica. Tradução: Dayse Batista. – 7ª ed. – Porto Alegre: Artmed, 1997.

MARINO, E.; HARASAWA, E.; PLUCIENNIK, G. A. (org.). Dez passos para implementar um programa para a primeiríssima infância. 1ª ed. São Paulo: Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, 2014. Coleção Primeiríssima Infância, v. 1.

MEDINA, J. A ciência dos bebês: da gravidez aos cinco anos – como criar filhos inteligentes e felizes. Tradução de Laura Alves e Aurélio Rebello. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.  

MELLO, T.; RUBIO, J. A. S. A Importância da afetividade na relação professor/aluno no processo de ensino/aprendizagem na educação infantil. Revista Eletrônica Saberes da Educação. V. 4, n. 1, 2013.

MINATEL, I. O que o método Montessori pode trazer para a sua família? 2016. Parceria com Mundo em Cores.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO; UNESCO. Escola que protege: enfrentando a violência contra crianças e adolescentes, in: Coleção Educação para Todos. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/escqprote_eletronico.pdf. Acesso em: jan. 2021.

MINISTÉRIO DA MULHER, DA FAMÍLIA E DOS DIREITOS HUMANOS. Balanço Disque 100. Brasília, 2019. Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/acesso-a-informacao/ouvidoria/balanco-disque-100.  Acesso em: jan. 2021.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia alimentar para crianças brasileiras menores de 2 anos. Brasília, 2019.

MONTORO, G. Vínculo Mãe­Filho: aqui nasce a capacidade de amar. Revista Psicologia Atual. Ano V, 1982.

OGATA, A. (coord.). Profissionais saudáveis, empresas produtivas: como promover um estilo de vida saudável no ambiente de trabalho e criar oportunidades para trabalhadores e empresas. Rio de Janeiro: Elsevier. Sesi, 2012.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Manual para vigilância do desenvolvimento infantil no contexto da AIDPI. Washington, D.C.: OPAS, © 2005.

PAPALIA, D. E.; FELDMAN, R. D.; MARTORELL, G. Desenvolvimento humano. Tradução: Cristina Macedo; Mauro de Campos Silva. 12ª ed. Porto Alegre: AMGH, 2013. 

PARKIN, S. O divergente positivo: liderança em sustentabilidade em um mundo perverso. Tradução: Gilson César Cardoso de Souza. São Paulo: Peirópolis, 2014. 

PENN, H. Primeira infância: a visão do Banco Mundial. Cadernos de pesquisa, n. 115: p. 7­24, 2002.

REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA. Proteção e prevenção às violências na primeira infância. Disponível em: https://naobataeduque.org.br/site2017/wp-content/uploads/2019/09/RNPI_KIT-Viol%C3%AAncia.pdf. Acesso em: jan. 2021.

REDE NOSSA SÃO PAULO. Mapa da desigualdade da primeira infância 2020. Parceria com Bernard van Leer Foundation. Disponível em: < https://www.nossasaopaulo.org.br/wp-content/uploads/2020/02/Mapa_PrimeiraInfancia-2020-completo.pdf >. Acesso em: jan. 2021. 

RODRIGUES, C. D.; CHAVES, L. B.; CARLOTTO, M. S. Síndrome de Burnout em professores de educação pré-escolar. Interação em Psicologia, 14(2), 197-204, 2010. 

SALGADO, J. A importância de ler os rótulos dos alimentos. Jornal da USP. 24 de jun. 2016. Atualidades. Disponível em: < https://jornal.usp.br/atualidades/a-importancia-de-ler-os-rotulos-dos-alimentos/ >. Acesso em: jan. 2021.

SANTOS, M. D. et al. Formação em pré-natal, puerpério e amamentação: práticas ampliadas. 1ª ed. São Paulo: Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, 2014. Coleção Primeiríssima Infância, v. 3.

SERAPIONI, M. O papel da família e das redes primárias na reestruturação das políticas sociais. Ciência e saúde coletiva. Rio de Janeiro, v. 10, suppl. 0, p. 243-253, set.-dez. 2005. 

SILVA, J. A. ACT: uma possibilidade de prevenção universal à violência contra a criança. São Carlos: UFSCar, 2014. Disponível em: < https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/8269/DissJAS.pdf?sequence=1&isAllowed=y >. Acesso em: jan. 2021.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Pirâmide alimentar. S.d. Disponível em: < https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/pdfs/14297e1-cartaz_Piramide.pdf >. Acesso em: jan. 2021.

UNESCO. Políticas para a primeira infância: notas sobre experiências internacionais. Brasília: Unesco, 2005.

UNICEF. A criança do 2° ao 12° mês. 2013 a. Kit família brasileira fortalecida. Álbum 3. Disponível em: < https://www.unicef.org/brazil/sites/unicef.org.brazil/files/2019-03/br_kit_fbf_album3_2013.pdf >. Acesso em: jan. 2021.

UNICEF. A criança de 1 a 3 anos. 2013 b. Kit família brasileira fortalecida. Álbum 4. Disponível em: < https://www.unicef.org/brazil/sites/unicef.org.brazil/files/2019-03/br_kit_fbf_album4_2013.pdf >. Acesso em: jan. 2021.

UNICEF. A criança de 4 a 6 anos. 2013 c. Kit família brasileira fortalecida. Álbum 5. Disponível em: < https://www.unicef.org/brazil/sites/unicef.org.brazil/files/2019-03/br_kit_fbf_album5_2013.pdf >. Acesso em: jan. 2021.

UNICEF. Situação da infância brasileira: crianças de até seis anos ‒ o direito à sobrevivência e ao desenvolvimento. Brasília: Unicef, 2005.

UNICEF. Situação das crianças e dos adolescentes no Brasil. S.d. Disponível em: < https://www.unicef.org/brazil/situacao-das-criancas-e-dos-adolescentes-no-brasil >. Acesso em: jan. 2021.

WEBER, L. N. D. et al. Identificação de estilos parentais: o ponto de vista dos pais e dos filhos. Psicologia: reflexão e crítica. 2004, 17 (3), pp. 323-331.YOUNG, M. E. (org.). Do desenvolvimento da primeira infância ao desenvolvimento humano: investindo no futuro de nossas crianças. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, 2010.